Cabedelo é escolhida para participar de reunião por videoconferência com Equipe Nacional do Programa Criança Feliz

O município de Cabedelo participou nesta segunda-feira (10) de uma reunião por videoconferência com a Equipe Nacional do Programa Criança Feliz e integrantes do Ministério da Cidadania.

Compuseram a reunião, a coordenadora do Programa Criança Feliz, Poliana Gragen; a visitadora do programa, Stefane Nunes; e a coordenadora da Casa de Acolhimento, Ingrid Sales. Na ocasiçai, foram relatadas a importância das visitas realizadas no serviço e para as crianças acolhidas.

O Criança Feliz foi destaque por sua atuação na Casa de Acolhimento para Crianças e Adolescentes, o que chamou a atenção do Governo Federal para relatar a experiência nas visitas nessa realidade, como também ajudar a formular estratégias nos atendimentos a essas crianças em situação de vínculos familiares rompidos ou extremamente fragilizados.

O Programa tem foco na intervenção no contexto familiar e social, atentando para necessidades de cuidado de crianças na primeira infância, a preparação para a parentalidade responsiva,  o fortalecimento de vínculos familiares e comunitários e a integração das redes setoriais de proteção no território, atuando na prevenção de situações de negligência e vulnerabilidade sociais.

Já o serviço de Acolhimento assemelha-se a uma residência, oferecendo ambiente acolhedor e condições institucionais para o atendimento com padrões de dignidade, para acolher 15 crianças e/ou adolescentes. Nesses moldes, o Programa Criança Feliz faz atendimento a duas crianças na faixa etária de 0 a 3 anos. As visitas acontecem normalmente com a frequência de 4 (quatro) visitas mensais e são realizadas com os cuidadores (servidores municipais) plantonistas e sempre que possível com os pais, de forma que ajude a reintegração familiar através do fortalecimento de vínculos.

As técnicas utilizadas são as mesmas empregadas nas visitas domiciliares: o visitador chega à Instituição de Acolhimento e é recebido pela equipe técnica. Depois, é direcionado à criança juntamente com o cuidador da instituição e/ou os pais; em seguida, seguem os protocolos com a apresentação da atividade previamente elaborada no plano de visita para aquele momento. Pela singularidade do ambiente, muitas vezes as atividades incluem as outras crianças que estão ali institucionalizadas, como se fossem uma grande família.

Compartilhar