topo
Inicial
Fortaleza de Santa Catarina

A Fortaleza de Santa Catarina do Cabedelo é um dos mais belos monumentos históricos do Estado da Paraíba, e está localizada à margem direita da barra do rio Paraíba do Norte, ao lado do Porto de Cabedelo, no litoral do Estado da Paraíba.

O imponente monumento, sua história e as crendices e lendas que a cercam, são sinônimos de resistência, força, arte e cultura popular para o povo cabedelense. A importância da Fortaleza de Santa Catarina para o município é tão significativa que ela está representada nos principais símbolos oficiais da cidade: no hino, no brasão e em seu pavilhão (bandeira).

Composto por um conjunto arquitetônico com 20 compartimentos, dentre eles, a capela dedicada à Santa Catarina de Alexandria, a casa da pólvora, a casa do capitão-mor, 2 prisões, 8 alojamentos de soldados, 4 alojamentos de oficiais, além de um paiol, um poço de água doce e dois túneis, além de ser  toda cercada por paredões gigantescos adornados com canhões que foram utlizados por impávidos guerreiros. A Fortaleza é considerada por muitos estudiosos e historiadores, em tamanho e em história, como a mais importante da Região Nordeste.

Atualmente, a Fortaleza é palco de importantes eventos culturais da região e, frequentemente, seus salões acolhem as mais diversas exposições, dentre as quais os quadros em cerâmica e azulejo que retratam as fortalezas, fortes, fortins e redutos militares do Brasil, que nela é instalado de forma permanente na Casa da Pólvora.

Diariamente, centenas de pessoas visitam a Fortaleza, que se deslumbram com o espaço físico cheio de histórias, contadas por seus guias. Lá, elas desfrutam também de um harmonioso e agradável local que serve para passeios contemplativos, piqueniques, cenário para belíssimas imagens e até de inspiração para diversos artistas. Do alto de seus paredões se tem uma vista de parte da cidade, da movimentação portuária, do quebramar e do maravilhoso encontro entre o rio Paraíba e o Oceano Atlântico.

A Fortaleza e seus fantasmas - Misteriosamente ela é cercada de lendas e crendices populares. Seus frequentadores mais antigos e os moradores de seu entorno garantem que o monumento é palco de muitos fenômenos, que contam estórias de natureza sobrenatural. Aparições famosas como a da Mulher de Branco, do Capitão Mor, da Serpente Gigante, dentre outras, até já ganharam suas versões na cultura local através de livros, publicações na internet e também no cinema e no teatro.

Breve Histórico - Ela representa um testemunho vivo das lutas contra os invasores franceses e holandeses da Região Nordeste à época do Brasil Colônia. A sua primitiva e robusta estrutura foi construída estrategicamente com a função de defender a barra do rio Paraíba do Norte e a povoação de Filipéia de Nossa Senhora das Neves (atual João Pessoa), na Capitania da Paraíba.

1586 - O governo de Frutuoso Barbosa reconheceu a necessidade urgente de sua construção. Guarnecida por 220 homens sob o comando do Capitão João de Matos Cardoso, o local passou a ser denominado de Forte do Matos.

1589 - Provalmente iniciou-se sua construção, em taipa, por ordem do Governador Geral de Pernambuco, para conquistar a região, fundar a Capitania da Paraíba e impedir as invasões estrangeiras. A construção foi dirigida pelo alemão Cristóvão Lintz. O forte começou a chamar-se Cabedelo, expressão geográfica que significa “pequeno cabo”.

1597 – Os franceses, com a ajuda dos índios da região e uma esquadra de 13 navios e 350 homens atacaram o Forte, mas foram derrotados. Mais tarde, o Forte passou a se chamar Santa Catarina em homenagem à duquesa portuguesa Dona Catarina de Bragança, fato que coincidiu com a capela da Fortaleza que era dedicada a Santa Catarina de Alexandria.

1631 – Primeira investida holandesa. Desembrarcaram 1300 homens de 13 navios. Após 12 dias de muita luta, os portugueses obrigaram os holandeses a baterem em retirada, ficando 200 soldados mortos e 150 feridos.

1634 – No início daquele ano, os holandeses atacaram o Forte pela segunda vez. Desta feita com 24 navios e 1600 homens. O Forte respondeu ao ataque com artilharia pesada e os holandeses novamente recuaram. Porém, em dezembro, com uma esquadra de 29 navios e 2.354 homens, o Forte não resistiu e se rendeu, fazendo com que o Comandante Matos e todo o seu armamento se retirassem. Na ocasião, com a presença dos flamengos, foi celebrado o histórico primeiro culto protestante da Paraíba.

1654 – Cai o domínio holandês no Nordeste brasileiro. O Forte é recuperado pelos portugueses que lhe fazem melhoramentos.

1859 – O Forte recebe a visita do imperador Dom Pedro II sob festa e regozijo popular.

1938 – Em 24 de maio, foi tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) e registrado no Livro de Belas Artes.

1990 – Depois de passar por várias restaurações, o Forte foi novamente abandonado em consequencia da Reforma Administrativa Federal.

1991 – A Associação Artístico-Cultural de Cabedelo passa a mantê-lo.

1992 – Foi criada a Fundação Fortaleza de Santa Catarina que, a partir de agosto de 1995 até os dias atuais, administra de fato o monumento e o seu entorno, fortalecendo-o como um Centro de Atividades Culturais.

"A fortaleza é o centro de resistência e tornou-se o nosso maior patrimônio pela posição que ocupou." José Américo de Almeida prefaciando o livro História da Fortaleza de Santa Catarina, de Vilma dos Santos Cordeiro.