Arraiá resgata cultura junina em mais uma noite na Praça Getúlio Vargas

Programação segue nesta quinta-feira (27), com apresentações das quadrilhas juninas locais

A cultura e a tradição junina tomaram conta do Arraiá do Litoral desta quarta-feira (26). A programação reservou todo o colorido e animação dos grupos culturais e Quadrilhas Juninas e da peça Acordai João que, mais uma vez, entreteve o público com a história desse festejo tão aguardado pelos nordestinos.

O Arraiá segue nesta quinta-feira (27), com as aguardadas apresentações das quadrilhas juninas locais – Limoeiro, Expresso do Litoral, Luar da Ilha e Macambira – , e a última apresentação do Acordai João.

A quarta-feira festiva teve início no palco Jackson do Pandeiro, onde o público foi recepcionado para apreciar mais uma apresentação do espetáculo Acordai João. A ousadia de incluir artes cênicas nos festejos juninos de Cabedelo também foi aprovada por quem prestigiou o espetáculo.

“A ideia de usar o teatro no evento é sensacional, porque além de servir como entretenimento também situa o espectador no ambiente junino. O texto é bem lúdico, divertindo crianças e adultos, e também nos ensina um pouco da tradição dos santos juninos, principalmente do São João”, afirmou a estudante Lumena Alves.

No pavilhão principal, a noite foi aberta com a performance da Escola de Ballet e Dança Municipal, que também homenageou o centenário de Jackson do Pandeiro com a coreografia “Jackson, o rei do ritmo”, criada pelas professoras Valesca Rique, Saniele Cipriano e Denilza Martins.

Ainda sob as coloridas bandeirolas do pavilhão principal foi a vez do grupo de Xaxado Infantil do Renascer se apresentar para o público. O grupo foi criado há 11 anos pela agente cultural Ivonete Ferreira. Dona Netinha, como é carinhosamente conhecida, agradeceu o espaço dado às crianças. “A gente gosta muito de vir pra cá, as crianças ficam muito felizes”.

Na sequência, foi a vez do grupo Tambores do Forte mostrar que tem espaço, público e voz no período junino de Cabedelo. O grupo coordenado pelo ativista cultural Júlio Mola tocou ritmos como o coco, ijexá, maracatu e sambareggae, e ainda fez um protesto pacífico contra a violência.

Um grande público se reuniu para acompanhar as apresentações das quadrilhas juninas pessoenses Lageiro Seco e Flor do Mandacaru, que mostraram toda a beleza dessa tradição junina. Ambas possuem muitos brincantes da cidade de Cabedelo.

A Lageiro Seco, do bairro do Roger, tem 72 anos de existência e é considerada a mais antiga do Brasil. A junina, que foi terceira colocada no concurso municipal e vice-campeã estadual de 2019, apresentou o tema “Vida sou… no solo sagrado em louvação“, com 122 brincantes contando e coreografando a história do homem do campo, sobre o que é o plantar e colher e a vivência do agricultor sob esse solo sagrado. O projetista da quadrilha, Rone Lopes, falou sobre a satisfação de se apresentar no Arraiá do Litoral.

“A Lageiro Seco agradece a oportunidade de poder dançar aqui e o fazemos com muita alegria. Percebemos que a estrutura desse evento evoluiu muito, tem muita organização, movimentação no comércio e até o local onde os grupos dançam está maior e todo coberto”, ressalto.

O público também se encantou com a apresentação da quadrilha junina Flor do Mandacaru, que tem 10 anos e, em 2019, foi a quarta colocada nos concursos estadual e municipal. A junina tem 66 brincantes e apresentou o tema “Marias da Flor em seis pétalas de bem me queres”, que faz uma linda homenagem às mulheres, preocupados com a violência e os feminicidios atuais.

“É um prazer enorme estarmos aqui mais uma vez, é uma honra! A estrutura está muito boa, a cada ano cresce mais. A Secretária de cultura e a Prefeitura estão de parabéns!”, disse o presidente da junina, Ricardo Felix.

.

Compartilhar