Comissão Intersetorial do Selo Unicef em Cabedelo se reúne e discute ações em prol da primeira infância

A Prefeitura de Cabedelo, por meio da Secretaria Municipal de Educação (Seduc) e da Comissão Intersetorial do Selo UNICEF realizou, nesta segunda-feira (30), uma reunião para discutir o Resultado Sistêmico 01, que tem o desenvolvimento da primeira infância como tema principal.

Os resultados sistêmicos fazem parte das condições impostas ao município para a certificação pelo Selo, que envolvem metas obrigatórias e melhorias nos indicadores sociais.

As ações discutidas no encontro foram a elaboração do Plano Municipal para Primeira Infância, orientações para que pelo menos 1 Cras ofereça serviços de atenção à primeira infância e garantir que pelo menos 30% das crianças matriculadas no município sejam beneficiadas por práticas qualificadas de Educação Infantil. Além disso, o objetivo é atingir a cobertura vacinal de 95% das crianças de 1 ano com a vacina tríplice viral (D2) ou tetra viral até 2024.

“O objetivo dessa reunião é encaminhar as ações trazidas por esse resultado para todos os membros da comissão, e, em especial, aqueles vinculados às principais Secretarias que lidam com essa fase da vida humana. Desenvolver práticas que garantam a qualidade na primeira infância é um compromisso importante para a administração pública municipal, pois é investindo nessa fase da vida humana que se promove a melhoria e o desenvolvimento da população futura”, explicou a articuladora do Selo Unicef, Nadja Araújo.

Infância – “A primeira infância, período que vai da concepção até os 6 anos de idade, é considerada uma janela de oportunidades crucial para a saúde, aprendizado, desenvolvimento e bem-estar social e emocional das crianças. Estudos científicos têm demonstrado que as primeiras experiências vividas na infância, bem como intervenções e serviços de qualidade ofertados neste período, estabelecem a base do desenvolvimento.

Isso significa que o que acontece nos primeiros anos de vida é fundamental para o desenvolvimento integral de meninas e meninos, de modo que é preciso que haja investimentos na primeira infância para que estes impactos sejam positivos para toda a sociedade. O pleno desenvolvimento da criança só pode ser alcançado por meio da oferta do cuidado integral, com intervenções integradas que abranjam a saúde e a nutrição da criança, ofereçam cuidado responsivo, segurança e oportunidades de aprendizado.

“Para garantir o sucesso nessa área, é necessário que os pais ou cuidadores devam exercer a parentalidade positiva, ou seja, apoiar e assegurar as bases para o desenvolvimento pleno das crianças por meio do conjunto de interações de afeto, cuidados, proteção contra violências, brincadeiras e atenção. Além disso, os profissionais das redes de saúde, educação e assistência social também devem garantir um atendimento qualificado e intersetorial para apoiar as crianças e suas famílias nessa estruturação das bases do desenvolvimento pleno”, concluiu Nadja.

Compartilhar