Conferência debate direitos e ações assistenciais para as pessoas em situação de rua

A Prefeitura Municipal de Cabedelo (PMC), por meio da Secretaria de Assistência Social (Semas), promoveu, nesta quinta-feira (30), a II Conferência Municipal para Pessoa em Situação de Rua. O evento, que aconteceu na Praça Venâncio Neiva, foi uma alusão ao Dia Nacional da Pessoa em Situação de Rua – 30 de agosto.

Sob o tema “Empregabilidade: a invisibilidade da população de rua”, a iniciativa levou à praça moradores de rua e pessoas interessadas no assunto para discutir as dificuldades e possiblidades de inserção no mercado de trabalho. Além disso, o encontro representa uma oportunidade de chamar atenção da sociedade para a condição dessas pessoas, bem como as atenções que o município oferece.

“Essa data é alusiva ao massacre da Praça da Sé, em 2004, onde alguns moradores de rua foram brutalmente assassinados e que motivou a criação do Dia Nacional de Luta da População em Situação de Rua. Essa é uma data que convida à reflexão. Por isso, nos dirigimos às pessoas em situação de rua e usuários do Centro de Referência Especializada para a População em Situação de Rua (Centro Pop), assim como a toda sociedade, para conscientizar da importância das politicas públicas para integra-los, reintegra-los à família e à sociedade, assim como inseri-los no mercado de trabalho”, disse a secretária de Assistência Social, Cynthia Denise.

O tema do encontro foi discutido na palestra “Empregabilidade: a invisibilidade da população de rua”, proposta pela assistente social da Secretária de Estado do Desenvolvimento Humano, Joilma de Oliveira Santos. O encontro pôs em discussão os dados relativos à população de rua na cidade portuária e na Paraíba. Na ocasião, a coordenação do Centro Pop realizou uma mostra as atividades desenvolvidas com os usuários, os dados e as estatísticas relativas aos atendimentos.

“Pela segunda vez trazemos para a praça um evento que tem por objetivo lançar um olhar sobre a população de rua: sua condição, seu cotidiano, suas estratégias de sobrevivência, suas necessidades. Escolhemos esse local por ser um de seus espaços de convivência, que alguns até utilizam como moradia e onde poderiam se sentir mais à vontade. É preciso discutir a empregabilidade e a invisibilidade que atinge essa parcela da população, bem como trazer as realizações que a Prefeitura promove em prol deles”, declarou o coordenador do Centro Pop, Willans da Penha.

Centro Pop – Atualmente, o Centro Pop conta com 248 usuários cadastrados e mantém uma média de 20 pessoas atendidas diariamente, que têm acesso a 3 refeições, banho, cuidados com higiene e saúde, serviços de assistência individualizada ou coletiva, atividades educativas de promoção à autonomia, atendimento psicológico e social, retirada de documentos, encaminhamentos para algumas políticas setoriais e acompanhamento na área de saúde.

O Centro tem um trabalho voltado à reintegração das pessoas à vida social e a convivência com instituições como a família, escola e inserção no mercado de trabalho.

 O Centro Pop atende às pessoas em situação de rua (acima dos 18 anos) das 8h às 17h, na rua Monsenhor da Silva Coutinho (rua da Farmácia Monteiro), nº 228, no bairro de Camalaú. Os serviços podem ser acessados por demanda espontânea, encaminhado pelo serviço de abordagem social ou por encaminhamento da rede socioassistencial.

Mais informações podem ser obtidas pelo telefone da Semas, 83) 3250.3166.

Compartilhar