Equipes da Prefeitura de Cabedelo realizam trabalho preventivo para minimizar danos causados pelas últimas chuvas na cidade

Defesa Civil está em alerta 24h e  pode ser acionada pelos números 199 e 3228.1773

As chuvas voltaram a cair com intensidade em Cabedelo nesta terça-feira (16). Segundo dados da Defesa Civil, nas últimas 12h horas choveu mais de 60 mm na cidade portuária. As equipes da Prefeitura Municipal estão nas ruas desde cedo, minimizando os dados causados pelas águas e realizando trabalho preventivo nas comunidades mais atingidas.

Até o final da manhã, não houve ocorrências graves. A previsão é que a chuva cesse no começo da tarde.

A Secretaria de Infraestrutura realizou abertura de valas na comunidade Nova Esperança e na ocupação no Bairro 13. Também houve a desobstrução do principal córrego da cidade, que tem início no Jacaré e encerra no Pontilhão, em Jardim Manguinhos. A ação resultou na retirada de lixo acumulado, inclusive uma bicicleta, possibilitando o escoamento das águas e evitando, dessa forma, alagamentos e transtornos maiores aos moradores.

A Defesa Civil também vem fazendo um trabalho ostensivo e preventivo nas comunidades mais atingidas pelas chuvas, a exemplo de Vila Feliz, Jardim América, Jardins Alfa, Beta e Gama, e Portal do Poço e Oceania VI. Por toda a cidade, a equipe também realizou ações preventivas de limpeza de galerias. Para acionar os serviços da Defesa Civil, a população pode ligar para os números 199 (emergência) e 3228.1773.

“Estamos atentos e alertas para atender ao chamado da população, realizando um trabalho preventivo, de monitoramento nas áreas mais sensíveis. Nossas equipes estão nas ruas, realizando desobstrução de bueiros para vazão das águas. Estamos com um abrigo provisório, na Casa de Passagem, pronto para receber famílias desabrigadas, caso haja a necessidade. A Prefeitura está ciente e pronta para atuar buscando, em primeiro lugar, a segurança da população.

 

ORIENTAÇÕES DA DEFESA CIVIL:

– Evitar jogar lixo nos rios, galerias, terrenos baldios e vias públicas (os resíduos atrapalham a vazão das águas e, no caso de bueiros, entopem o sistema de drenagem instalado nas ruas, provocando alagamentos);

– Evitar a construção desordenada, principalmente de casas e abrigos;

– Evitar áreas ribeirinhas sob risco de inundação;

– Evitar a circulação de pessoas e animais nos locais de inundação e alagamentos;

– Evitar ficar próximo de encostas e construções inseguras, principalmente nas enchentes e chuvas torrenciais;

– Evitar a praia e terrenos descampados durante período chuvosos, devido à ocorrência de raios;

– Evitar entrar em contato com a água de enxurradas, de bueiros e lama (podem estar contaminadas e causar doenças, como a febre tifóide, hepatite, leptospirose, dentre outras). Caso entre em contato com água contaminada e tenha sintomas como vômitos, febre, diarréia, dores musculares ou ferimentos, procure imediatamente uma unidade de saúde;

– Não enfrentar a correnteza e inundações, já que os alagamentos podem esconder bueiros abertos e buracos, trazendo riscos de acidentes;

– Se estiver de carro, dirija sempre devagar e evite entrar em locais alagados e baixos, como nas proximidades de rios e ribeirões. Evite também transitar por locais alagados e onde forem registradas ocorrências, como queda de barreiras e outros. Além disso, não estacione ou permaneça sob árvores, especialmente se estiver ventando forte;

– Quem mora em áreas de risco, o ideal, primeiramente, é procurar locais mais seguros para poder se deslocar, para sair com total segurança (uma medida fundamental é que essas pessoas se cadastrem nos Centros de Referência em Assistência Social – CRAS municipais);

– Em casos de alagamento em casas e estabelecimentos, procurar desligar a chave de energia do local. Feito isso, colocar os eletrodomésticos, móveis e pertences em posições mais elevadas.

 

 

 

Compartilhar