Operação da Vigilância Sanitária Municipal resulta em interdição de box no Mercado Público Municipal de Cabedelo

A Prefeitura de Cabedelo, por meio da Vigilância Sanitária, em parceria com o Procon e a Guarda Metropolitana realizou, nesta quinta-feira (16), uma operação que resultou na interdição de um dos boxes de venda de pescados no Mercado Público Municipal.

A operação foi motivada por denúncia encaminhada ao órgão que relatava as más condições do local para a comercialização. Em uma primeira inspeção, os fiscais da Vigilância constataram as irregularidades no tocante às condições de higiene do local, procedência do pescado, mau acondicionamento, além da falta de licença sanitária.

“Foi-nos encaminhada uma denuncia em relação a má conservação do peixes, mau cheiro e falta de higiene. Foi feita uma inspeção na segunda-feira, constatadas as irregularidades e a equipe notificou e deu 24 horas para o proprietário providenciar a limpeza do local, a melhoria do acondicionamento dos peixes e a entrada na licença sanitária, pois ele não tem licença para trabalhar como peixaria”, explicou a inspetora sanitária, Verônica Pinho.

Nessa nova visita, tendo em vista do não atendimento das recomendações por parte do proprietário, os fiscais lavraram o termo de interdição, recolheram o pescado e cientificaram os proprietários das providências a serem tomadas. Dentre elas, a retirada da licença, manutenção e limpeza dos freezers, bem como a limpeza de todo o local e vigiar a procedência do pescado.

“A vigilância mantém uma rotina, mas o trabalho é muito motivado pelas denúncias encaminhadas pela população. Essas ganham uma prioridade e são atendidas prontamente, nunca ficam para depois. A população está mais consciente dos seus direitos e vigilante às condições em que se encontram os ambientes que comercializam alimentos. Ele está mais exigente e cuidadoso com a saúde, daí o volume de denúncias, que raramente são vazias. No caso presente, a inspeção partiu de uma denúncia anônima e resultou numa interdição, devido as más condições registradas e o total desrespeito à legislação e ao órgão de fiscalização”, concluiu Verônica.

Compartilhar