Palestra debate Cultura de Paz e Direitos Humanos com alunos da rede municipal

A Secretaria de Educação de Cabedelo (Seduc), por meio da Coordenação de Assistência ao Educando (PSE) e do Setor de Projetos Educacionais (SPE), realizou, nesta quarta-feira (28), o Seminário Cultura de Paz e Direitos Humanos. O encontro teve por objetivo apresentar o avanço das discussões sobre a temática no âmbito do município e as experiências realizadas

No evento foram apresentadas uma retrospectiva e dados estatísticos referentes à Formação de Mediadores para o projeto Pescadores da Paz, e a resolução do Conselho Municipal de Educação para o funcionamento do Núcleo da Justiça Restaurativa em Cabedelo.

“É gratificante poder perceber os frutos de um trabalho que vem sendo construído com a dedicação e um empenho de todos nós. Nossa obrigação como educadores, portanto, é acreditar que estamos sempre aprendendo alguma coisa e fazendo a diferença na vida de alguém. E é nesse propósito que estamos aqui hoje”, disse a secretária da educação, Priscila Dias.

A discussão central do encontro foi conduzida pela componente do Ministério Público da Paraíba e coordenadora do projeto Na escola com respeito, a promotora Ana Raquel Beltrão. Ela comentou a oportunidade de discutir cultura de paz e direitos humanos no âmbito escolar.

“Sinto-me honrada em participar desse seminário porque o programa Pescadores da Paz surgiu a partir de uma ideia que foi acolhida pela promotora de Justiça local, Dra Cristiana Ferreira, que convidou o Caop da Educação do Ministério Público para vir em Cabedelo dar um curso sobre pacificação de conflitos no ambiente escolar. Fizemos um curso de 40h de duração, que resultou nesse projeto, que visa exatamente transformar a escola em um ambiente de respeito, de paz, de aceitação da diversidade entre os alunos, e de construção de uma educação crítica e libertadora”, comentou a palestrante.

A promotora de Defesa da Criança e do adolescente de Cabedelo, Cristiana Ferreira Moreira Cabral de Vasconcelos, destacou a importância do projeto para a educação e o papel de multiplicadores dos professores no processo.

“É satisfatório quando podemos exercer nosso mister e presenciar alguma transformação social. Penso que essa é nossa principal função e, em especial, quando vemos que os responsáveis pela formação educacional de nossas crianças e adolescentes estão envolvidos com um objetivo maior de promover a paz. Por mais que digamos que a paz começa em cada um de nós, vivemos momentos que precisamos refletir e disseminar esse sentimento”.

As experiências exitosas apresentadas no seminário vieram das escolas Elizabeth Ferreira e Maria Pessoa. Esta última, inclusive, apresentou a simulação de um júri sobre Bullyng, bem como do próprio núcleo central do Pescadores da Paz.

 

 

Compartilhar