Encontre o que você precisa aqui:

Autor: Secom

Prefeitura de Cabedelo envia ofício ao Ibama e solicita providências sobre aparecimento do peixe-leão no litoral paraibano

Animal é considerado perigoso e pode causar acidentes quando em contato com os banhistas A Prefeitura Municipal de Cabedelo (PMC), por meio da Secretaria de Meio Ambiente (Semam), emitiu um oficio (nº22/2023) ao Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e ao ICMBio Nacional solicitando providências quanto ao aparecimento do peixe-leão […]

15/05/2023 10h25 Atualizado há 10 meses atrás

Animal é considerado perigoso e pode causar acidentes quando em contato com os banhistas

A Prefeitura Municipal de Cabedelo (PMC), por meio da Secretaria de Meio Ambiente (Semam), emitiu um oficio (nº22/2023) ao Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e ao ICMBio Nacional solicitando providências quanto ao aparecimento do peixe-leão no litoral paraibano.

A espécie é uma bioinvasora com alta adaptabilidade, que se alimenta de crustáceos e outros peixes. Além de afetar a biodiversidade local, o peixe pode causar acidentes quando em contato com os banhistas. Seu veneno pode causar dor, náusea e até convulsões.

No oficio, a Semam destaca que o peixe-leão, que já foi encontrado no litoral paraibano, é considerado “uma ameaça à biodiversidade, à economia local, como também aos banhistas, por seu veneno que possui efeito cardiotóxico e citotóxico. Os danos já estão sendo causados, e precisam ser combatidos com a máxima urgência possível. Vale lembrar que o mar territorial, a plataforma continental e a zona econômica exclusiva são bens da União, art. 20, V e VI da Constituição Federal de 1988, e ainda áreas de competência administrativa federal, segundo o art. 7º da Lei Complementar 140/2011, sem falar que esse problema perpassa vários Estados do Nordeste, de forma que a competência da União se faz inquestionável e urgente”.

A Semam recomenda que, no caso de encontrar um peixe-leão em unidade de conservação, o mergulhador/banhista não interaja com o animal, pois os espinhos contém veneno. No caso de pescar acidentalmente um peixe-leão, o conselho é que não se devolva ao mar: capture, removendo cuidadosamente os espinhos e, se possível, entregue ao Ibama ou ICMBio mais próximo.

Para mais informações ou para reportar casos de aparecimento do peixe-leão em Cabedelo, a Semam disponibiliza o contato (83) 3228.0596 (whatsapp).

A Sudema disponibiliza uma formulário online para ser preenchido por quem avistar o animal.

ACESSE AQUI O FORMULÁRIO DA SUDEMA.

 


Preferência de Cookies

Usamos cookies e tecnologias semelhantes que são necessárias para operar o site. Você pode consentir com o nosso uso de cookies clicando em "Aceitar" ou gerenciar suas preferências clicando em “Minhas opções”. Para obter mais informações sobre os tipos de cookies, como utilizamos e quais dados são coletados, leia nossa Política de Privacidade.