Tradição, colorido e alegria marcam mais uma noite do Arraiá do Litoral

Programação desta terça-feira contou com espetáculo Acordai João e apresentações de quadrilhas convidadas

Quem foi conferir mais uma noite do Arraiá do Litoral, nesta terça-feira (25), saiu da Praça Getúlio Vargas ainda mais no clima junino. A programação reservou todo o colorido das Quadrilhas Juninas e toda a emoção e beleza do espetáculo Acordai João, que contou a história dos festejos juninos de forma lúdica e engraçada.

A festa continua nesta quarta-feira (26), a partir das 19h30, com mais uma apresentação do Acordai João; do Ballet Municipal – homenageando o Rei do Ritmo –; das quadrilhas Juninas Lajeiro Seco e Flor de Mandacaru; e dos grupos culturais Tambores do Forte e Xaxado do Renascer

A noite do dia 25 começou com o espetáculo Acordai João, no palco Jackson do Pandeiro. Dirigido por Igobergh Bernardo, a peça é uma comédia musical infanto-juvenil, que conta a história de como surgiu a tradição dos festejos juninos, através de personagens Estrelas e do Anjo Gabriel.

Em meio a um repertório regional, os atores cantam, dançam e fazem promessa para os Santos, resgatando os “causos” populares e as crendices nos santos juninos. Dividido em dois atos, a dramaturgia presta, em sua segunda parte, uma homenagem à comédia “O Casamento de Branco”, do teatrólogo cabedelense Altimar de Alencar Pimentel (in memorian).

Logo após a peça, ainda no palco alternativo, o colorido e a alegria tomou conta de vez da festa, com a participação da Companhia Municipal de Dança de Cabedelo – formada por alunos e ex alunos do Ballet Municipal – e o inédito espetáculo “Olha a Xepa’ em homenagem a Jackson do Pandeiro e que tem a direção de Rita Spinelli e Valesca Rique, com assistência e coreografia de Saniele Cipriano.

O secretário de Cultura, Igobergh Bernardo, que também atuou no espetáculo Acordai João, comentou sobre a inclusão de outros elementos culturais na programação do Arraiá, a exemplo do teatro, que fortalecem ainda mais os atrativos dos São João.

“O espetáculo Acordai João foi uma surpresa positiva. É um grande desafio, pois é teatro de rua e os cabedelenses não estão acostumados com esse estilo. Mas quem assistiu, gostou, respeitou o elenco e ficou até o final. A gente está com atração para todos os públicos, tanto que também montamos, dentro da Vila São João, um memorial que faz um resgate histórico da quadrilha junina mais antiga da cidade. E assim como o Coco de Roda, passarão em nosso pavilhão grupos já tradicionais na cidade, como o Tambores do Forte, e ainda teremos a oportunidade de ver de perto as melhores quadrilhas juninas da Grande João Pessoa, contando com as quatro de nossa cidade. O público está muito feliz com o nosso Arraiá”,disse. .

No pavilhão principal, a noite festiva teve início com a participação do grupo de Coco de Roda e Ciranda do Mestre Benedito, que fez o povo dançar sob o comando da carismática Teca do Coco. Teca, com suas palavras, comentou sobre como a manifestação folclórica enriquece o evento.

“Hoje em dia não pode ter São João em Cabedelo sem o coco. Vieram pessoas até de outras cidades pra dançar com a gente. O coco traz alegria e muito amor pra nossas festas. É uma coisa linda né?”.

Na sequência, as quadrilhas juninas convidadas, Sanfona Branca e Fogueirinha, respectivamente de Mangabeira e Cruz das Armas, em João Pessoa, deram um show que encantou o público do Arraiá. A terceira noite foi encerrada com o trio de forró pé de serra de Jair e grupo Nosso Xote.

Participação das quadrilhas – A Sanfona Branca, atual tricampeã do concurso de quadrilhas de João Pessoa e 3ª colocada no Estadual, veio a Cabedelo para fazer todo mundo dançar e encantar com o tema “Santas e Cangaceiras: uma ficção a ser contada”. A quadrilha possui 110 componentes e trouxe o espetáculo completo para o Arraiá.

“Neste ano estamos exaltando o protagonismo da mulher nordestina e mantendo esse foco regional que já é característico da Sanfona Branca. Ressaltamos essa riqueza cultural que é o cangaço, mas pelo viés feminino. Estamos muito felizes em poder retornar a Cabedelo após seis anos e ver que a estrutura melhorou demais desde 2013. Estamos gratos pelo convite e iremos prestigiar o evento dançando”, destacou Alessandra Carvalho, brincante e porta-voz da grupo.

A última apresentação cultural da noite ficou por conta da quadrilha junina Fogueirinha, que trouxe o tema “Opará: cantos, contos e encantos”, fazendo o público vivenciar um pouco as lendas e histórias do Rio São Francisco. Com 110 componentes, a junina foi vice campeã no concurso de João Pessoa e ficou em 5° no paraibano. De acordo com o coordenador José Nunes (Zezinho), o grupo se orgulha muito de se apresentar em Cabedelo.

“É uma honra para todos nós vir dançar na cidade de Cabedelo. Já estivemos aqui em outras oportunidades com quadrilhas boas, como a Viana e a Limoeiro. É uma satisfação enorme dançar para esse povo, e a estrutura aqui está melhor que nos anos anteriores. Nunca vi algo assim tão organizado. Estão todos de parabéns”, concluiu Zezinho da Fogueirinha.

Compartilhar